Futebol Feminino: os jogos com campo reduzido não permitiram alcançar estímulos de alta intensidade similares aos de jogos internacionais.

Lesões no futebol: estaria inadequado o volume de treinamento com distâncias percorridas em alta intensidade?
20 de janeiro de 2019
JOGOS REDUZIDOS NO TREINO DE FUTEBOL
3 de fevereiro de 2019
foto: AFP / LANCE!

O Futebol Feminino que tanto nos orgulha desde 1986, participando de todas as edições da Copa do Mundo e dos Torneios de Futebol dos Jogos Olímpicos. Coroando isso tudo, temos a Rainha Marta, a melhor jogadora do mundo de todos os tempos, nossa camisa 10 foi eleita por 5 anos consecutivos pela FIFA (de 2006 a 2010) como a melhor jogadora de futebol do planeta, conquistando agora em 2018 o título pela sexta vez (1). Outra grande conquista para nossas atletas, a partir de 2019 todas as equipes que disputam as competições da Conmebol terão suas equipes femininas, o que levou aos clubes Brasileiros a ampliarem o investimento ou até mesmo a criarem as suas equipes femininas (2).

Na área científica também estamos em crescimento, onde podemos destacar 2 estudos publicados pelo grupo liderado pelo Fisiologista da Seleção Brasileira Principal, o Prof. Dr. Guilherme Passos Ramos, que verificaram o perfil de atividades (3) e o padrão de movimento (4) de atletas das Seleções Brasileiras Femininas. No estudo que verificou o perfil das atividades das atletas, os dados foram coletados por GPS em partidas oficiais internacionais das categorias Sub17, Sub20 e Principal. Neste estudo foram analisadas as seguintes variáveis: distância total percorrida, distâncias percorridas em alta intensidade (15,6 – 20 km/h e > 20 km/h), número de acelerações (> 1 ms2), desacelerações (> -1 ms2) e o Player Load. Os autores reportaram que  geralmente ocorreram aumentos na magnitude das variáveis analisadas com o aumento das faixas etárias (resultados da Sub17 foram menores em relação a Sub20 que por sua vez, foram menores que da Principal). No segundo estudo, mais uma vez utilizando GPS foi analisado o padrão de movimento das atletas (agrupadas por posição) durante o Campeonato Sul-Americano Sub20. Os autores verificaram que as atletas percorreram em média 8675 ± 663 metros durante os jogos internacionais, sendo que as laterais e as atacantes percorreram uma distância total e as distâncias em alta intensidade maior do que as zagueiras e as meio-campistas. Desta forma, esses achados podem ser utilizados para estabelecer exercícios de condicionamento específicos de acordo com categorias (faixa etária), bem como das posições das atletas (3, 4).

Dando continuidade ao tema que apresentamos na semana passada, temos um estudo realizado com atletas australianas de elite onde investigaram o padrão de movimento de treinamentos realizados com jogos em campo reduzido e compararam esses com jogos em competições de nível regional, nacional e internacional (5). O padrão de movimento analisado foi composto pela demanda de sprints repetidos em relação à duração dos sprints, número de repetições de sprint, duração da recuperação e intensidade da recuperação. Os jogos em campo reduzido foram de três contra três e cinco contra cinco, os jogos regionais contra times masculinos (n = 10), os jogos da liga nacional australiana (n = 9) e os jogos internacionais (n = 12). Os resultados deste estudo demonstram que o treinamento com jogos em campo reduzido podem ser usados ​​para simular efetivamente os padrões gerais de movimento da competição nacional, nacional e internacional. No entanto, o treinamento com jogos em campo reduzido não simularam as demandas de alta intensidade e sprints repetidos da competição internacional. De uma perspectiva prática, o treinamento com jogos em campo reduzido devem ser complementados com treinamento específico para que simule as demandas de alta intensidade e sprints repetidos da competição. Ressaltando que embora o treinamento com jogos em campo reduzido utilizado neste estudo não tenha alcançado as demandas de alta intensidade e sprints repetidos conforme solicitado em jogos internacionais, deve ser reconhecido que o treinamento com jogos em campo reduzido (aplicados neste estudo) foram projetados especificamente para desenvolver habilidades técnicas e uma maior compreensão e consciência tática, ou seja, captura, passagem e manutenção de posse em pequenos espaços de trabalho e compreensão tática, sendo que várias bolas poderiam utilizadas para garantir a continuidade do jogo. Os autores sugerem ainda que os treinadores podem modificar o conteúdo e a natureza do treinamento com jogos em campo reduzido (por exemplo, modificando as dimensões do campo e regras, números de jogadores e número de bolas) para aumentar as demandas fisiológicas e mecânicas do estímulo de treinamento. Além disso, o uso de “um-contra-um” e de estratégias em que os defensores marcam continuamente o mesmo atacante podem aumentar as exigências de sprint repetidos no treino, levando os jogadores a correrem na defesa, se recuperem rapidamente e, em seguida, montarem um contra-ataque efetivo (5).

Continuemos ampliando essa discussão e para finalizar, vamos dar um salve para o nosso futebol feminino…

 

REFERÊNCIAS:
  1. https://pt.wikipedia.org/wiki/Sele%C3%A7%C3%A3o_Brasileira_de_Futebol_Feminino
  2. http://www.conmebol.com/pt-br/futebol-feminino
  3. Ramos GP, Nakamura FY, Penna EM, Wilke CF, Pereira LA, Loturco I, Capelli L, Mahseredjian F, Silami-Garcia E, Coimbra CC. Activity profiles in U17, U20 and senior women’s Brazilian National soccer teams during international competitions: Are there meaningful differences? J Strength Cond Res 2017 Jul 31. doi: 10.1519/JSC.0000000000002170.
  4. Ramos GP, Nakamura FY, Pereira LA, Junior WB, Mahseredjian F, Wilke CF, Garcia ES, Coimbra CC. Movement patterns of a U-20 National women’s soccer team during competitive matches: influence of playing position and performance in the first half. Int J Sports Med 2017 Sep;38(10):747-754.
  5. Gabbett TJ, Mulvey MJ. Time-motion analysis of small-sided training games and competition in elite women soccer players. J Strength Cond Res 2008 Mar;22(2):543-52.
FOTO: https://www.lance.com.br/rio2016/fotos-relembre-momentos-marcantes-dos-jogos-olimpicos-rio-janeiro.html

 



2 Comentários

  1. Jober Teixeira Júnior disse:

    Enriquecedor esse site uma vez que vem a contemplar o conhecimento e sair daquela situação de achismo que permeou por muitos anos a aplicação do conhecimento.
    Parabenizo os envolvidos neste sentido pois o crescimento do conhecimento do podera acontecer com pesquisa observações e aplicação de novas atitudes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.