/widgets.js";var sz=d.getElementsByTagName(s)[0];sz.parentNode.insertBefore(z,sz)}(document,"script","zb-embed-code"));

O binômio ciência–treinamento sob a perspectiva de um Treinador

Monitoramento 24 horas da saúde e performance de atletas: realidade distante ou não?
18 de fevereiro de 2019
Controle de carga de treinamento no futebol
1 de abril de 2019
Alexandre Magno-França, Ph. D.
Diretor de Operações, Union Internationale de Pentathlon Moderne | Mônaco
Pesquisador Associado, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro | Rio de Janeiro

O BINÔMIO CIÊNCIA–TREINAMENTO SOB A PERSPECTIVA DE UM TREINADOR

“Frequentemente, treinadores veem cientistas como seres fora da realidade do esporte e competições, mais interessados nas estatísticas do que nos resultados do desempenho. Já os cientistas enxergam os treinadores como Neandertais, que não entendem o corpo humano nem os princípios da ciência. Essa falta de respeito mútuo e de valor é um grande impedimento para uma colaboração bem-sucedida e produtiva.” (CALLAN; DIEFFENBACH, 2012, p.9).

A importância do esporte de alto rendimento tem crescido exponencialmente nos últimos anos. A magia do desafio e do movimento, bem como a beleza e a plasticidade dos atletas ecoam diante do enorme volume de recursos públicos e privados investidos nessas atividades. A superexposição à mídia dos atores e suas modalidades aproxima-os das pessoas indistintamente de país, credo ou condição social.

Mesmo estando presente há muitos anos em nosso cenário, a ciência do esporte sempre careceu de maior integração ao quotidiano desportivo brasileiro. Países com maior tradição esportiva têm demonstrado essa preocupação ao investir em programas que promovem a comunicação simples, ágil e direta dos laboratórios com o campo desportivo (STONE et al, 2005, p.21). A distância existente entre cientistas e treinadores no Brasil dificulta o uso de descobertas e novas tecnologias avançadas. É sobre essa questão, tornada um grande diferencial para a obtenção de resultados expressivos no esporte de alto-rendimento, que tratará o presente artigo.

A busca da modernização de processos e conquista de melhores resultados operacionais ultrapassou as fronteiras do mundo corporativo e constitui hoje princípio basilar da gestão esportiva de clubes, federações e comitês olímpicos. O aporte de percentuais significativos dos orçamentos dessas entidades em serviços de suporte científico traduz a importância da procura por um diferencial na excelência da performance.

A Alemanha, por intermédio do Institut für Angewandte Trainingswissenchaft (IAT), busca que seus cientistas trabalhem como consultores junto aos treinadores e atletas. O objetivo do Instituto, em última análise, é o de capacitar técnicos e atletas para usar as ferramentas de controle de treinamento, em colaboração ativa com os cientistas do esporte. Por intermédio de uma gestão ampla, envolvendo não só a performance do atleta, mas também o uso da tecnologia para o aperfeiçoamento de equipamentos, o IAT é a maior instituição mundial de pesquisa nessa área (INSTITUT FÜR ANGRWANDTE TRAININGSWISSENCHAFT, 2013).

O English Institute of Sports (EIS), órgão de apoio científico da British Olympic Association, é demonstra sua expertise revelando que 86% dos medalhistas britânicos nos Jogos de Londres foram apoiados regularmente por este Instituto. O número de medalhas conquistadas nas três edições olímpicas seguintes cresceu 109% desde a criação do EIS, em 2002 (ENGLISH INSTITUTE OF SPORTS, 2012).

O Australian Institute of Sport, ramo técnico-científico da Australian Sport Comission, responsável por conduzir a pesquisa científica em prol da performance esportiva, assessorou 94% dos atletas que conquistaram as 35 medalhas australianas nos Jogos de Londres (AUSTRALIAN SPORT COMISSION, 2012).

Contudo, a disponibilização de métodos científicos avançados e tecnologia de ponta por si só não garantem avanços ou vantagens no planejamento e controle do treinamento esportivo. O fator-chave para que potencial científico e tecnológico seja aproveitado e potencializado é a educação dos treinadores e comissão técnica. É por intermédio de ações educacionais voltadas para o público acima mencionado que é possível conseguir a aproximação de treinadores e cientistas.

Do lado dos treinadores existe o medo da exposição de seu método de trabalho a pessoas que não conhecem a rotina de campo, tradicionalmente composta por grande dose de empirismo. Do lado dos cientistas urge a necessidade de que entendam que podem se adaptar e moldar à rotina dos treinadores. O objetivo maior para esses profissionais será trazer para o campo a aplicação prática das interpretações dos testes e medições realizadas.

Para que isso aconteça é fundamental que os cientistas estejam ambientados e envolvidos in loco com o cotidiano de treinamento dos atletas apoiados. Já para os treinadores, quanto mais critérios objetivos e mensuráveis forem apresentados para a avaliação e controle de cargas do treino – vale dizer mais informações práticas e menos fundamentação teoricamente – mais próximos estaremos de uma programação de alto nível. Trata-se de um problema de comunicação crônico que pode ser vencido com a busca de uma linguagem comum para ambas as partes.

Com o envolvimento de treinadores capacitados e estimulados, torna-se mais fácil convencer e estimular atletas a realmente tirarem o máximo de proveito das potencialidades da ciência do esporte. A conscientização individual dos desportistas sobre os detalhes de sua rotina de alimentação, descanso, ações preventivas para a prevenção de lesões e conhecimento dos critérios de avaliação do treinamento torna o processo mais simples e envolvente. Ter conhecimento do que efetivamente está se medindo e o porquê de cada uma das atividades de suporte é essencial para o crescimento e desenvolvimento global do atleta.

Vencidos os problemas de comunicação é importante agora entender a atuação do cientista dentro da rotina de treinamento e competições. Para tanto, propomos a reposta à uma questão: que atributos são desejáveis para a realização de um suporte científico de excelência? Destacaremos aqui cinco pontos principais que, dentro da nossa experiência, devem nortear a atuação de uma equipe científica: confiabilidade, objetividade, temporalidade, discrição e difusão.

Figura 1. Os cinco atributos para a excelência do suporte científico no esporte de alto-rendimento.

A confiabilidade está atrelada ao grau de credibilidade depositado por treinadores e atletas na equipe de suporte. A previsão, o planejamento e o conhecimento da modalidade são essenciais para quem presta o apoio, sendo essas pessoas tão mais intrusas quanto menor for sua habilidade para lidar com esses aspectos. Fazer com que os consultores se sintam parte do time e que o seu trabalho realmente encontra eco no seio de atletas e treinadores é essencial.

A objetividade diz respeito à linguagem utilizada pela equipe de apoio, permitindo a fácil e imediata compreensão dos objetivos a serem atingidos. É importante que uma linguagem próxima aos jargões desportivos seja a eleita, de modo a eliminar hiatos de relacionamento entre pessoas que convivam em ambientes de trabalho completamente diversos.

A temporalidade está ligada à velocidade com que os resultados dos diversos testes e experimentos chegam à comissão técnica e atletas. A frustração pelo retardo na entrega de relatórios, essenciais para a promoção de mudanças e adaptações ao treinamento, compromete o relacionamento apoiador x apoiado. Por outro lado, a pronta resposta de atletas e treinadores em seguirem as recomendações propostas retroalimenta o processo.

A discrição do apoio, representada pelo entendimento pela equipe de apoio que a ciência é uma dentre outras coadjuvantes do segmento esportivo, torna-se primaz. Compreender que o papel a ser desempenhado é de assessoramento torna-se um grande passo para que o processo flua de maneira eficiente. Já a comissão técnica apoiada deve primar pela clareza e transparência dos métodos de treinamento, permitindo aos consultores uma análise profunda dos problemas encontrados.

Como última propriedade, a difusão de informações faz-se necessária em duas vertentes: externa e interna. Internamente a comunicação deve ser hierarquizada, de modo que o atleta só receba ou preste informações por intermédio de uma única pessoa, elencada em sua Comissão Técnica. Pelo lado do Comitê e no mesmo modelo, apenas uma pessoa deverá estabelecer a ligação entre as demandas do atleta e os diversos profissionais prestadores de serviço. Externamente, é fundamental que haja publicidade das melhores práticas, dos achados e possibilidades de réplica dos eventos conduzidos pela ciência, de modo a incentivar e estimular a comunidade esportiva a buscar esse novo horizonte em suas rotinas.

Continuaremos em próximas postagens a explorar a visão adquirida durante quatro ciclos olímpicos sobre a relação entre cientistas e treinadores, para o aprimoramento do conhecimento e das ações em campo.

REFERÊNCIAS:

  1. AUSTRALIAN SPORT COMISSION. Annual Report 2011-2012. IAS, 2012. 31p.
  2. CALLAN, S.; DIEFFENBACH, K. Building Better Performance through applied science: how NGBs and universities can work together. Olympic Coach Magazine, v.23, n.1, p. 9-13. 2012.
  3. ENGLISH INSTITUTE OF SPORT. Games Time Review. EIS, 2012. 47p.
  4. INSTITUT ANGEWANDTE TRAININGSWISSENCHAFT. Organisationsstruktur des IAT. Disponível em: www.iat.uni-leipzig.de. Acesso em: 27 abril 2013.
  5. STONE, M.; STONE, E.; SANDS, B. Downfall of sport science in the United States. Olympic Coach Magazine, v.17, n.1, p. 21-24, 2005.

2 Comentários

  1. inhouse disse:

    Ηello, all the time i uѕеd to check web site posts һere in the еarly oսrs in the dawn, since i enjoy to learn morе ɑnd more.

  2. I am really loving tһe theme/design оff your blog.
    Do үou еver run into anny web browser compatibility ⲣroblems?

    A smаll umber of mʏ blog readers һave complained aboᥙt my site not operatinng correctly іn Exlorer bᥙt looks ցreat in Safari.
    Ⅾо you hae ɑny suggestions to helop fix tһіs issue?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.