O ciclo menstrual altera a monotonia, o strain e a duração do treinamento técnico em jovens atletas do atletismo.

Controle de carga de treinamento no futebol
1 de abril de 2019
O que os atletas fazem quando não treinam?
3 de maio de 2019
Prof. Dr. Sandro Fernandes da Silva
Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Respostas Neuromusculares (GEPREN)
Universidade Federal de Lavras (UFLA) | Minas Gerais

O ciclo menstrual altera a monotonia, o strain e a duração do treinamento técnico em jovens atletas do atletismo

O ciclo menstrual (CM) é determinado pela sincronia do eixo hipotálamo-pituitário-ovário (Reilly, 2000). O CM regular dura de 26 a 35 dias, sendo divido em 3 fases: 1) Folicular; 2) Ovulatória e 3) Lútea (Constantini, Dubnov, & amp; Lebrun, 2005). A fase folicular (FF) é caracterizada por altos níveis do hormônio folículo estimulante (FSH) e uma diminuição dos hormônios luteinizante (LH), estradiol e progesterona (Constantini et al.,2005; Oosthuyse & Bosch, 2010), já a fase ovulatória (FO) é caracterizada por um baixo nível de FSH e progesterona, e um aumento nos níveis de estradiol e LH (Constantini et al., 2005; Oosthuyse & Bosch, 2010). Finalmente a fase lútea (FL) se destaca por baixos níveis de LH e FSH e um alto nível de estradiol e progesterona (Constantini et al., 2005; Oosthuyse & Bosch, 2010).

Figura 1. Fases do Ciclo Menstrual. Disponível em: < https://www.todamateria.com.br/ciclo-menstrual/ > Acessado em: 06 abr. 2019.

Essa variação hormonal durante o CM provoca mudanças no desempenho (Bruinvels, Burden, Brown, Richards, & Pedlar, 2015). A literatura aponta quase um consenso que existe uma redução da performance na fase FF e FL quando comparada a FO (Lebrun, McKenzie, Prior, & Taunton, 1995; Tsampoukos et al., 2010). No entanto quando se busca mensurar variáveis psicofisiológicas a Ciência do Esporte ainda mostra resultados conflitantes, alguns estudos mostram uma melhora FF em relação a FO na resistência aeróbica na resistência (Jurkowski, Jones, Toews, & Sutton, 1981; Oosthuyse & Bosch, 2010), enquanto outros não mostram diferença entre as fases do CM quando comparado a velocidade e também a resistência aeróbica (Lebrun, McKenzie, Prior, & Taunton, 1995; Tsampoukos et al., 2010).

O estudo recente de Cristina-Souza et al., (2019) foi a primeira investigar as interferências do CM nas variáveis psicofisiológicas do treinamento (TRIMP, monotonia e strain) em jovens atletas de atletismo e identificou que a monotonia (média da carga semanal dividida pelo desvio padrão dessa mesma carga de treino) e strain (produto da monotonia multiplicada pelo somatório da carga de treino semanal) foram mais altas na FF quando comparada a FO, ressaltando assim que as variações do CM são evidentes na FF, o que afeta a capacidade de treinamento de jovens atletas. Essas mudanças encontradas no estudo podem ser reportado principalmente pela variação do estradiol na FF, que apresentou valores mais altos nas jovens atletas quando comparado à adultos (Borrow & Cameron, 2014), o que provocar distúrbios psicológicos importantes (Borrow & Cameron, 2014; Bruinvels et al., 2015; Czajkowska et al.,2015).

Os resultados desse recente estudo aportam importantes novidades no controle de carga de treinamento em jovens atletas, já que o mesmo encontrou que as variações hormonais do CM, fazem que exista um aumento no treinamento técnico e no intervalo de recuperação entre os exercícios e as séries principalmente na FF e na FL, isso indica que as mudanças psicológicas em relação a monotonia e strain interferem na programação da carga de trabalho, sendo essencial essa informação para a programação, controle e busca de excelência no treinamento.

Para ter acesso ao artigo completo:

https://www.tandfonline.com/eprint/9D9y2hkZDir77bXgiJpd/full?target=10.1080/02640414.2019.1597826

REFERÊNCIAS:

    1. Borrow, A. P., & Cameron, N. M. (2014). Estrogenic mediation of serotonergic and neurotrophic systems: Implications for female mood disorders. Progress in Neuro-Psychopharmacology and Biological Psychiatry, 54, 13–25.
    2. Bruinvels, G., Burden, R., Brown, N., Richards, T., & Pedlar, C. (2015). The prevalence and impact of heavy menstrual bleeding among athletes and mass start runners of the 2015 London Marathon. British Journal of Sports Medicine, 50(9), 566.
    3. Constantini, N. W., Dubnov, G., & Lebrun, C. M. (2005). The menstrual cycle and sport performance. Clinics in Sports Medicine, 24(2), e51–e82.
    4. Czajkowska, M., Drosdzol-Cop, A., Gałązka, I., Naworska, B., & Skrzypulec-Jurkowski, J., Jones, N. L., Toews, C. J., & Sutton, J. R. (1981). Effects of menstrual cycle on blood lactate, O2 delivery, and performance during exercise. Journal of Applied Physiology, 51(6), 1493–1499.
    5. Lebrun, C. M., McKenzie, D. C., Prior, J. C., & Taunton, J. E. (1995). Effects of menstrual cycle phase on athletic performance. Medicine and Science in Sports and Exercise, 27(3), 437–444.
    6. Oosthuyse, T., & Bosch, A. N. (2010). The effect of the menstrual cycle on exercise metabolism. Sports Medicine, 40(3), 207–227.
    7. Plinta, V. (2015). Menstrual cycle and the prevalence of pré-menstrual syndrome/premenstrual dysphoric disorder in adolescent athletes. Journal of Pediatric and Adolescent Gynecology, 28(6), 492–498.
    8. Reilly, T. (2000). The menstrual cycle and human performance: An overview. Biological Rhythm Research, 31(1), 29–40.
    9. Tsampoukos, A., Peckham, E. A., James, R., & Nevill, M. E. (2010). Effect of menstrual cycle phase on sprinting performance. European Journal of Applied Physiology, 109(4), 659–667.