Quais parâmetros você utiliza para monitorar a qualidade do sono dos seus atletas?

A troca de Técnicos aumenta a incidência de lesões musculares no futebol profissional.
20 de novembro de 2018
A Importâcia do Sono
21 de dezembro de 2018

 

A qualidade do sono é um componente essencial para a recuperação do atleta. No entanto, uma melhor compreensão dos parâmetros a serem aplicados para quantificar adequadamente a qualidade do sono em atletas de esportes coletivo não estava disponível na literatura científica. Sendo assim, realizamos uma revisão sistemática e meta-análise para identificar quais parâmetros utilizar para o monitoramento da qualidade do sono em atletas.

Este estudo foi conduzido por especialistas de instituições nacionais e internacionais de diferentes áreas (Controle de Carga: USP, LOAD CONTROL, Gabbett Performance Solutions e USQ; Psicobiologia: UNIFESP, UFC, UFMG, Aspetar e QUT; Fisiologia: SPFC; Treinamento de Força: USP e NAR) e aceito na revista científica BMJ Open Sport & Exercise Medicine (1). Os principais achados foram:

  • 30 instrumentos de medição foram utilizados para monitorar a qualidade do sono em atletas de esportes coletivos. Os mais prevalentes foram: 1) Actigrafia; 2) Escala de Likert (sem referência); 3) Escala de Likert (baseada em Hooper); 4) Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh; 5) Escala de sonolência de Epworth e RESTQ-Sport; 6) Questionário de Jet-lag de Liverpool e PROMIS; 7) Polissonografia;

  • 10 parâmetros de qualidade do sono foram identificados pela meta-análise; 4 inferidos por actigrafia (eficiência do sono, latência do sono, número de despertares e duração total do número de despertares) e outros 6 parâmetros de qualidade obtidos de questionários e escalas (incluindo Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh [eficiência do sono], Escala de Likert [Hooper], Escala Likert [sem referência], Questionário de Jet-lag de Liverpool, Questionário de Jet-lag de Liverpool [classificação do sono] e, RESTQ-Sport [qualidade do sono]);

  • Os parâmetros mais adequados para monitorar a qualidade do sono devem ter um nível de instabilidade da medida (coeficiente de variação) de pequeno a moderado e um nível de sensibilidade da medida (tamanho de efeito) de moderado a grande.

 

Estes achados fundamentam a atuação de Treinadores, Preparadores Físicos, Fisiologistas e demais profissionais que buscam conhecer a qualidade do sono visando uma abordagem integral de monitoramento dos seus atletas. Pois, uma baixa qualidade do sono pode levar ao acúmulo de fadiga, sonolência e mudanças no humor. Além disso, o sono insuficiente tem sido negativamente relacionado ao desempenho físico (por exemplo, redução da velocidade e potência anaeróbica), função neurocognitiva (por exemplo, diminuição da atenção e memória) e saúde física (por exemplo, aumento do risco de doença e lesão).

Uma recomendação para uma boa qualidade do sono aponta para determinantes principais a serem seguidos: eficiência do sono de pelo menos 85% , adormecer em 30 minutos ou menos após deitar-se, acordar não mais do que uma vez por noite, e ter uma duração total do número de despertares de no máximo 20 minutos depois de adormecer inicialmente.

A qualidade do sono recebeu um número crescente de estudos nos últimos anos. Esta pesquisa encontrou 1809 artigos na busca inicial. Após a remoção de artigos duplicados e a aplicação dos critérios de inclusão, 77 estudos, publicados entre 1993 e 2017, foram incluídos nesta revisão sistemática, sendo que 56% dos artigos foram publicados nos últimos 3 anos. Além disso, revisões sistemáticas anteriores ao nosso estudo já sugeriram que: os processos fisiológicos e psicológicos que ocorrem durante o sono são considerados críticos para a recuperação ideal; os efeitos prejudiciais do distúrbio do sono nos mecanismos de fadiga pós-jogo incluem retardo na ressíntese de glicogênio muscular, recuperação retardada do dano muscular induzido pelo jogo e/ou comprometimento do reparo muscular, função cognitiva prejudicada e aumento da fadiga mental. Além disso, estratégias utilizadas para melhorar o sono (higiene do sono) podem ser utilizadas para reduzir a sua interrupção após partidas noturnas e durante dias de recuperação para promover o sono restaurador (2,3,4).

Por outro lado ainda carecemos de avanços científicos e tecnológicos nessa área como: um consenso sobre (i) a definição conceitual dos parâmetros inferidos pela actigrafia, que podemos dizer ser um método não invasivo de monitoramento dos ciclos de repouso-atividade humana (ii) uniformidade nos algoritmos usados para calcular a qualidade do sono (nos dispositivos eletrônicos), e (iii) validação de questionários de sono com atletas de alto rendimento.

Atualmente já é possível a utilização de smartwatches, os chamados relógios inteligentes, para o monitoramento da eficiência do sono. Com o contínuo avanço tecnológico a eficiência e os os demais parâmetros do sono identificados no presente estudos poderão ser obtidos com mais facilidade e confiabilidade das medidas. Os questionários e escalas também foram recomendados para uso na prática profissional. Além de não terem custo para aplicação, agregam a percepção do sujeito para o processo e não são substituídos completamente por parâmetros objetivos, na realidade eles, parâmetros subjetivos e objetivos, se complementam em muitos casos.

O fato é que mais uma vez não encerramos a discussão, mas executamos um passo contundente na busca por respostas nessa área de vital importância para melhora do desempenho e redução do risco de lesão de atletas.

Ah e com Brasileiros na condução deste grande avanço na área de conhecimento: #MadeInBrazil !

REFERÊNCIAS:

  1. Which parameters to use for sleep quality monitoring in team sport athletes? A systematic review and meta-analysis. João Gustavo Claudino1,2; Tim J Gabbett3,4; Helton de Sá Souza5; Mário Simim6; Peter Fowler7,8; Diego de Alcantara Borba9; Marco Melo10; Altamiro Bottino10; Irineu Loturco11; Vânia D’Almeida5; Alberto Carlos Amadio1; Julio Cerca Serrão1; George P. Nassis12. 1University of São Paulo (USP); 2LOAD CONTROL; 3Gabbett Performance Solutions; 4University of Southern Queensland (USQ); 5Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); 6Universidade Federal do Ceará (UFC); 7Aspetar Orthopaedic and Sports Medicine Hospital; 8Queensland University of Technology; 9Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); 10São Paulo Futebol Clube (SPFC); 11 Núcleo de Alto Rendimento (NAR); 12Independent Researcher, Athens, Greece. BMJ Open Sport & Exercise Medicine.
  2. Fullagar HHK, Duffield R, Skorski S, et al. Sleep and recovery in team sport: current sleep-related issues facing professional team-sport athletes. Int J Sports Physiol Perform 2015;10(8):950-57.
  3. Nédélec M, Halson S, Delecroix B, et al. Sleep hygiene and recovery strategies in elite soccer players. Sports Med 2015;45(11):1547-59.
  4. Nédélec M, Halson S, Abaidia A-E, et al. Stress, sleep and recovery in elite soccer: a critical review of the literature. Sports Med 2015;45(10):1387-400.

33 Comentários

  1. Maglia Bayern disse:

    You could certainly see your skills within the work you write.
    The world hopes for even more passionate writers such as you who
    are not afraid to say how they believe. All the time go after your heart.
    Maglia Bayern

  2. When someone writes an piece of writing he/she
    maintains the thought of a user in his/her brain that how a user can be aware of it.
    So that’s why this piece of writing is outstdanding. Thanks!
    Magliette Napoli Bambino

  3. Matfami disse:

    Cialis 10 Mg Tadalafil Discount Fedex Shipping Progesterone Medication Online п»їcialis Acheter Cialis Par Cheque Propecia Datos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.